A busca da USP por uma vacina nacional contra a covid-19

A busca da USP por uma vacina nacional contra a covid-19

Banner A busca da USP por uma vacina nacional contra a covid-19

17/02/2021 Por Fabiana Mariz – Jornal da USP
Arte: Moisés Dorado/Jornal da USP

 

Atualmente, o Brasil tem duas vacinas contra o SARS-CoV-2 aprovadas para uso emergencial: a Coronavac, desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac, e a AstraZeneca/Oxford, produzida pela Universidade de Oxford em parceria com a multinacional inglesa.

Para que um imunizante seja aprovado e esteja disponível no mercado, são necessários de dez a 15 anos de muita pesquisa e vários testes. A aprovação para uso emergencial das duas vacinas disponíveis foi feita em tempo recorde, mas ainda é possível que os imunizantes passem por melhorias.

Autoridades, médicos e cientistas ressaltam a importância de termos um produto brasileiro com tecnologia 100% nacional, mesmo que isso demore anos. As razões vão desde a preocupação de que a covid-19 se torne uma doença sazonal até a dependência de importação de insumos, processo que atrasa a fabricação de vacinas no País.

A USP é uma das instituições que assumiram o compromisso de desenvolver uma vacina do zero. São sete projetos em andamento nos vários campi da Universidade. A vacina em spray nasal do Instituto do Coração (Incor) da Faculdade de Medicina (FMUSP); a vacina nanoparticulada da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP); a vacina vetorizada da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA); as quatro plataformas vacinais em ensaios pré-clínicos do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB): a nanovacina, a vacina de subunidades, e as vacinas de DNA e de RNA.

As duas primeiras são as que se encontram em fase avançada. O grupo que desenvolve a vacina em spray nasal deve iniciar os testes toxicológicos em breve. Já a nanoparticulada, da FMRP, aguarda a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para iniciar os ensaios clínicos de fase 1 e 2.

O Jornal da USP conversou com os líderes dessas pesquisas e, nesta reportagem, explica todos os detalhes.

 

Vacinas em desenvolvimento na USP

Unidade da USP em que está alocada Projeto Fase em que se encontra Investimento até 02/2021
Instituto do Coração (Incor) spray nasal finalizando os ensaios pré-clínicos MCTI – R$20 milhões;
Fapesp – R$5 milhões;
USP Vida – R$104 mil
Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) vacina nanoparticulada aguardando autorização da Anvisa para iniciar os testes clínicos Não divulgado
Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA) vacina de vetor viral ensaios pré-clínicos CNPq/MCTI – R$4.334.600,00
Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) vacina de subunidades
nanovacina
vacina de DNA
Vacina de RNA
ensaios pré-clínicos
ensaios pré-clínicos
ensaios pré-clínicos
ensaios pré-clínicos
MCTI – R$1,1 milhão;
Fapesp – R$200 mil

 

Leia a matéria completa publicada no Jornal da USP

 

fonte: Jornal da USP

 

 
Translate »